Brydes do Brasil
Baleia-de-Bryde no Rio de Janeiro

Baleia-de-Bryde no Rio de Janeiro

As baleias-de-bryde são quase um mistério para os pesquisadores de cetáceos no Brasil e no mundo. Com poucas informações disponíveis sobre o animal, os estudiosos têm diferentes teorias sobre sua classificação. A Comissão Internacional Baleeira (CIB, 2018) e a União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN, Versão 2018-1) consideram a baleia-de-bryde como uma única espécie, Balaenoptera edeni.


O Comitê Ad-Hoc de Taxonomia da Sociedade de Mamíferos Marinhos (2018) admite a ocorrência como duas subespécies: a baleia-de-bryde-oceânica (B. edeni edeni) e a baleia-de-eden (B. edeni bydei).


Já outros pesquisadores consideram que existem duas espécies: B. edeni, descrita no final do século XIX pelo zoólogo escocês John Anderson, e B. brydei, descrita no início do século XX pelo zoólogo norueguês Orjan Olsen.


O "complexo edeni/brydei" sofre com essa confusão taxonômica em nível global. Diferenças morfológicas, osteológicas, genéticas, ecológicas e comportamentais foram reportadas entre as várias populações do mundo.


Pastene e colaboradores (2015) sugerem que as baleias do Peru, Chile e Brasil pertencem à espécie B. brydei com base em análises genéticas.


Pastene, L.A.; Acevedo, J.; Siciliano, S.; Sholl, T.C.G.; Moura, J.F.; Ott, P.H.; Aguayo-Lobo, A. 2015. Population genetic structure of the South American Bryde's whale. Revista de Biología Marina y Oceanografía. 50 (3): 453-464.


Outros nomes comuns: Espadarte, rorqual-tropical, baleia-sardinheira


Baleia-de-Bryde
Baleia-de-Bryde

A baleia-de-bryde é regularmente avistada na região Sudeste (Rio de Janeiro e São Paulo) em áreas próximas à costa.

Presente nos oceanos Atlântico, Pacífico e Índico, a baleia-de-bryde não realiza extensos movimentos migratórios como as demais espécies de baleias costumam fazer. Ela permanece ao longo de todo o ano em águas quentes, onde presume-se que seja capaz de satisfazer suas necessidades nutricionais e reprodutivas, raramente alcançando as regiões temperadas frias.


Acredita-se que os movimentos das populações costeiras sejam governados pela distribuição e abundância de suas presas. No Brasil existem registros confirmados desde o Rio Grande do Sul até a Bahia, além dos estados da Paraíba, do Maranhão e do Pará.


Essa baleia é avistada regularmente na região Sudeste nos meses de primavera, verão e outono. Em São Paulo, de Itanhaém até a Ilha da Queimada Grande, Laje de Santos, passando por Guarujá e Bertioga até São Sebastião, em especial no entorno da Ilha do Montão de Trigo, do Arquipélago de Alcatrazes, de Ilhabela e das Ilhas de Búzios e de Vitória até Ubatuba.


No Rio de Janeiro, as localidades de frequência da espécie incluem a Baía da Ilha Grande, Restinga da Marambaia, Barra de Guaratiba, região metropolitana do Rio de Janeiro, Praias de Piratininga a Itaipu (Niterói), Itaipuaçu, Arraial do Cabo, Cabo Frio e Búzios.


A sardinha-verdadeira (Sardinella brasiliensis), um dos principais itens de sua dieta, aproxima-se da costa para desovar no fim da primavera e no verão. Também há ocorrências de desova na região costeira próxima a Cabo Frio durante o outono e início da primavera. Nessas oportunidades, não é raro observar as baleias-de-bryde alimentando-se dos cardumes.


Habitat:
Costeiro/Oceânico


Baleia-de-Bryde
Baleia-de-Bryde

Na superfície superior da cabeça nota-se a presença de uma quilha central proeminente e duas laterais, mas dependendo do ângulo de observação, da ondulação do mar e das condições de luminosidade nem sempre podem ser claramente observadas.

» Corpo esguio.


» Coloração cinza-escuro prateada uniforme no dorso e esbranquiçada na região ventral, que às vezes pode ser também levemente rosada. A coloração escura continua para baixo, alcançando algumas pregas ventrais e a nadadeira peitoral. Podem existir manchas claras nos flancos ou entre a cabeça e a nadadeira dorsal. É comum haver pequenas marcas ovais ou circulares brancas ou creme ao longo do corpo, como resultado de cicatrizes causadas por mordidas de tubarões-charuto (Isistius spp.), por cracas que se desprendem do corpo e/ou deixadas por parasitas.


» A cabeça é proporcionalmente larga para um balaenopterídeo e plana, representando cerca de 25% do comprimento do corpo. A forma da cabeça é um tanto pontiaguda se vista de cima. Presença de uma quilha central proeminente e duas quilhas laterais ou acessórias na superfície superior da cabeça. As três quilhas paralelas, de extensões semelhantes, são uma característica única entre os balaenopterídeos, mas são apenas nitidamente observadas em uma vista dorsal da cabeça. Em alguns indivíduos as quilhas laterais são pobremente desenvolvidas, ao ponto de quase não serem notadas.


A nadadeira dorsal é posicionada bem atrás do centro do dorso.

A nadadeira dorsal é posicionada bem atrás do centro do dorso.

» Nadadeira dorsal afastada do centro do dorso. Alta (cerca de 46cm de altura), pronunciada e falcada com extremidade pontiaguda. A nadadeira dorsal ascende abruptamente do dorso, ao contrário da baleia-sei (B. borealis) e da baleia-fin (B. physalus) que se eleva em um ângulo mais suave.


» Comprimento no nascimento: 4m | Comprimento do adulto: de 13m a 15,6m, sendo no máximo de 16,5m.


A baleia-de-bryde curva fortemente a parte posterior do corpo antes de um mergulho profundo.

A baleia-de-bryde curva fortemente a parte posterior do corpo antes de um mergulho profundo.

» Natação rápida, sendo capaz de se deslocar em velocidades de até 25km/h.


» Quando na superfície, onde permanece por curtos períodos de tempo, raramente exibe mais que o topo da cabeça. No entanto, o dorso e a nadadeira dorsal são usualmente visíveis apenas antes de um mergulho longo. Arqueia fortemente o pedúnculo da nadadeira caudal antes submergir, mas a nadadeira caudal não é visível acima da superfície da água antes do mergulho. Pode alcançar profundidades de até 300m.


» Tempo de submersão: 2 a 8 minutos, com máximo de 20 minutos. Tipicamente respira de 4 a 10 vezes antes de submergir.


» Apresenta uma sequência irregular de deslocamento e de mergulho, especialmente quando está se alimentando, ocasião em que muda o curso do deslocamento com maior frequência e de forma imprevisível, pois se desloca com súbitas acelerações e mudanças de direção em zigue-zague, tanto abaixo quanto acima da superfície, um estilo típico de natação dessa espécie.


Deixa atrás de si rastros provocados pela subida da água do movimento da poderosa nadadeira caudal perfeitamente arredondados e lisos na superfície do mar, popularmente chamados de “restolho”, “pegada” ou “liseira”.

Deixa atrás de si rastros provocados pela subida da água do movimento da poderosa nadadeira caudal perfeitamente arredondados e lisos na superfície do mar, popularmente chamados de “restolho”, “pegada” ou “liseira”.

» Ocasionalmente pode saltar quase que verticalmente, mas na maioria das vezes emerge até a altura da nadadeira dorsal ficando o restante do corpo submerso. Em algumas ocasiões dobra o corpo para trás enquanto salta, batendo com o dorso na superfície da água. Pode saltar duas ou três vezes consecutivas.


» Sua resposta à aproximação de embarcações varia bastante e pode ser influenciada por muitos fatores. Eventualmente pode se aproximar de barcos, nadando em círculos à sua volta ou se deslocando nas suas proximidades por um curto período de tempo. Em outras ocasiões chega a ser bastante esquiva, a ponto de não permitir a aproximação.


Baleia-de-Bryde
Baleia-de-Bryde

Uma das melhores maneiras de localizar as baleias na vasta extensão do oceano é através de sua expiração, conhecida popularmente como borrifo. O ar quente expelido pelos pulmões, através do orifício respiratório, ao entrar em contato com o ar mais frio do ambiente, condensa, formando vapores de minúsculas gotículas de água, com aspecto de nuvem ou spray.

O borrifo da baleia-de-bryde é razoavelmente visto à distância. Ela, em geral, exala abaixo da superfície da água, o que torna seu borrifo difuso. Quando bem visível, é espesso e estreito, em forma de coluna, podendo alcançar de 2 a 4m de altura.


Baleia-de-Bryde
Baleia-de-Bryde

Indivíduos solitários, duplas ou trios são observados com maior frequência no Brasil.

Em geral, os grupos de baleias-de-bryde possuem de uma a quatro baleias. Agregações maiores, com até 20 indivíduos, são temporárias e podem ser encontradas de forma dispersa em locais de alimentação. Agregações são definidas quando vários indivíduos estão reunidos na mesma área, mas sem uma organização interna óbvia.


Enquanto está se alimentando, pode se posicionar de lado exibindo uma parte da nadadeira caudal acima da superfície da água, o que pode confundir com a nadadeira dorsal de um macho adulto de orca (<em>Orcinus orca</em>).

Enquanto está se alimentando, pode se posicionar de lado exibindo uma parte da nadadeira caudal acima da superfície da água, o que pode confundir com a nadadeira dorsal de um macho adulto de orca (Orcinus orca).

Pequenos peixes que formam cardumes como os das famílias Clupeidae, Engraulidae, Gempylidae, Gerridae, Mugilidae e pequenos crustáceos como krill, camarão-aviu (Acetes americanus) e copédodos. As baleias-de-bryde alimentam-se com frequência subindo diagonalmente através do grupo de presas, com a boca aberta que pode alcançar um ângulo de 90° ou mais.


Baleia-de-Bryde
Baleia-de-Bryde

Suas atividades de alimentação frequentemente na superfície atraem aves marinhas.

Baleia-de-Bryde
Baleia-de-Bryde

Baleias-de-bryde deslocando-se nas proximidades da entrada da baía de Guanabara, Rio de Janeiro, zona com intenso tráfego de embarcações de todos os portes.

Capturas acidentais em redes de pesca, degradação e perda do habitat, poluição (doméstica, química e sonora), colisão com embarcações e molestamento intencional.


Baleia-de-bryde deslocando-se entre lixo sólido flutuante.

Baleia-de-bryde deslocando-se entre lixo sólido flutuante.

As redes de espera constituem uma ameaça potencial para as baleias-de-bryde.

As redes de espera constituem uma ameaça potencial para as baleias-de-bryde.


Status: Baixo Risco.


IUCN, versão 2018.1 - http://www.iucnredlist.org


Status: Dados Deficientes
Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA). 2001. Mamíferos aquáticos do Brasil: plano de ação. Versão II. Brasília: IBAMA. Diretoria de Fauna e Recursos Pesqueiros. 96 p.


Lodi, L.;  Borobia, M. 2013. Baleias, botos e golfinhos do Brasil: Guia de identificação. Editora Technical Books, Rio de Janeiro. 479 p.

Lodi, L.; Borobia, M. 2013. Baleias, botos e golfinhos do Brasil: Guia de identificação. Editora Technical Books, Rio de Janeiro. 479 p.


Quer ir mais Fundo?

Leia e Entenda


Legislação

Sempre siga o protocolo de observação de baleias e não as perturbe para obtenção de fotografias


Leia Mais

Infográfico

Criamos um infográfico que ilustra mais informações e curiosidades sobre essas baleias


Leia Mais

Foto-identificação

Os indivíduos são identificados por suas nadadeiras dorsais, que têm cortes e cicatrizes


Leia Mais